O meu dilema

FP4_2

Devo ou não continuar com este blogue? Formulo esta questão desde já, de maneira a exprimir melhor o que me vai pela mente em relação à minha actividade enquanto entusiasta da fotografia. Este blogue surgiu da conjunção de três factores: o meu gosto pela fotografia, o cultivo da escrita e o facto de não haver muita gente a escrever sobre fotografia em Portugal. Senti que estes factores determinavam que o aparecimento de um blogue português sobre fotografia fizesse todo o sentido, e em boa parte estava correcto.

A verdade, porém, é que muitas vezes luto para encontrar temas interessantes sobre os quais escrever. Por vezes, quando escrevo, tenho a sensação de que me estou a repetir. Os meus escritos são, essencialmente, sobre a fotografia enquanto manifestação artística e os meios através dos quais ela adquire a sua expressão. Não tenho conhecimentos científicos que me permitam escrever sobre técnica e tenho pouco equipamento, pelo que não posso fazer aquilo que traria uma multidão de leitores aqui ao Número f/: ensaios de equipamento. Os dois que fiz são apreciações subjectivas sobre peças de equipamento que já não se fabricam (uma delas há já duas décadas…) De resto, cada vez estou mais convencido de que escrever sobre equipamento não faz sentido nenhum.

Há outro motivo que me leva a questionar a continuação do Número f/. É que gosto muito mais de fotografar do que escrever sobre fotografia. O meu interesse não é ser um teórico da fotografia, é ser um fotógrafo. Ainda não o sou, porque não vivo da fotografia nem gozo do reconhecimento e mérito que me permitam a ousadia de us(urp)ar esse título, mas quero sê-lo. E por vezes esta aprendizagem é incompatível com escrever um blogue.

Deixem-me explicar o que quero dizer com aquela última frase: ao procurar temas para este blogue, sou confrontado com um universo infinito de informação, e isto desvia-me dos meus próprios conceitos ao tornar-me permeável a informação desnecessária. Um exemplo disto é a quantidade de informação que colhi e transmiti aqui sobre equipamento e tecnologia: estes são ancilares da fotografia; são meros acessórios. Mas a exposição àqueles cria-me noções erróneas, que mais tarde ou mais cedo se repercutem na minha maneira de fotografar. A melhor maneira de compreender o equipamento é usá-lo, e não ler o que outros dizem sobre ele. O mesmo se diga sobre técnicas fotográficas: a abordagem a estas deve ser o mais simples possível, mas o acesso a tanta informação, necessário para escrever os meus textos, também se repercute, e por vezes negativamente, na minha fotografia.

Fotografar é, deste modo, muito mais importante do que escrever sobre fotografia. Como esta última actividade se mostra por vezes um pouco ingrata, torna-se facilmente sacrificável. Se deixar de escrever sobre fotografia concentro-me melhor no que é mais importante. A “ingratidão” a que me referi não tem nada que ver com os muitos seguidores que este blogue tem, mas há um facto que não pode ser ilidido: o Número f/ tem poucos leitores. No meu melhor mês, que foi o de Maio deste ano, tive 2275 visualizações; neste mês, apesar de ainda faltar uma semana para chegar ao fim, vou apenas com 1150. É pouco, e leva-me a perguntar-me se vale a pena continuar. Até porque as estatísticas do Flickr são bem diferentes: nos últimos cinco dias tive 4644 visualizações. Isto dá uma média diária de 929 visualizações por dia. A média do melhor mês do Número f/ é de 73,3 visualizações diárias. Torna-se mais ou menos claro em qual deveria apostar, se estivesse na posição de ter de abandonar uma das minhas publicações na Internet.

Contudo, sinto que o desaparecimento do Número f/ seria quase uma traição para os leitores. Não escrevo por espírito de missão ou serviço público: escrevo porque gosto. E este gosto está a começar a desvanecer – ou melhor: a ver o seu lugar ocupado por um gosto maior, que é o de fazer fotografias. Não, este texto de hoje não é para anunciar a morte do Número f/, mas é um aviso para que os leitores se vão preparando para essa eventualidade.

M. V. M.

Anúncios

4 thoughts on “O meu dilema”

  1. Olá. Eu gosto de ler este blog. Às vezes concordo com o que leio, outras vezes nem por isso… Mas gosto de o ler. No entanto, compreendo as tuas razões.

    Por isso, vou deixar o pior comentário possível a um post destes. Acho que deves fazer o que te apetecer :)

  2. Buuu!!! Não gostei :) Se o que procuramos é quantidade, então porque não fotografar o Cristiano Ronaldo mais vezes?
    Que a musa inspiradora sopre forte para esses lados por longos anos…
    Quanto ao dilema do equipamento (para ensaios) que tal contactar as marcas para receber os seus modelos de ensaio? Arrisco que facilmente cativasse a atenção com os números apresentados.
    Um abraço.

  3. MVM, deixa-te de cenas, sabes o que era engraçado? lançares uma temporada de “discos pedidos” assim tipo um leitor chegar aqui e pede-te “escreve sobre isto” ou “escreve sobre aquilo” e tu escrevias e os leitores ficavam contentes.

    :)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s