Novidades da indústria fotográfica: Olympus E-M1 e 12-40mm-f/2.8

olympus-EM1-04-640x435Escrever a saga dos erros de principiante quase me fez esquecer o acontecimento mais excitante da indústria fotográfica desta semana (o iPhone 5S não conta): o lançamento da Olympus E-M1 e da lente 12-40mm-f/2.8, que teve lugar na terça-feira. Uma vez que sou um aderente do sistema micro quatro terços e dono de material Olympus, estas notícias deviam ter-me causado algum entusiasmo, mas a verdade é que isso não aconteceu. Há alguns meses atrás, talvez tivesse ficado muito contente e a sonhar acordado com estas novidades, mas a verdade é que não fiquei. Sabem porquê? A resposta é mais ou menos óbvia para quem segue o Número f/ e tem umas noções de fotografia: porque entretanto aconteceu a Olympus OM-2n.

A E-M1 é a única câmara com forma de DSLR que pode ser considerada bonita. Tem linhas angulosas e firmes, não parecendo um bloco de alcatrão deixado a derreter ao sol. E tem, ao que se diz, a mesma qualidade de imagem que a E-M5 (o sistema de denominação dos modelos que a Olympus usa está cada vez mais estranho), além de incorporar uma novidade importante que surgiu com a E-P5: tempos de exposição que descem a 1/8000. E o estabilizador de imagem em cinco eixos, que aparentemente funciona na perfeição, que fora lançado na E-M5 e incorporado na E-P5. Tudo muito bonito, e tal… mas esta câmara não me interessa. É muito cara e, sinceramente, depois de usar a minha OM-2 deixei de me interessar por formatos de sensor que não sejam full frame. Já não prescindo do controlo sobre as altas luzes, as sombras e a profundidade de campo da OM-2, de que só os sensores de área grande se aproximam. O micro quatro terços é bem melhor do que muitos dizem, mas tem estas limitações. Apesar dos progressos obtidos na gama dinâmica desde que a Olympus se livrou dos sensores Panasonic e passou a usar os Sony, e a despeito de por vezes ser confortável ter uma profundidade de campo maior para manter todos os planos em foco, penso que sensores pequenos em câmaras desta gama são uma perda de tempo.

A E-M1 representa também o fim das DSLR – das verdadeiras, com visor óptico – da Olympus. O sensor da E-M1 (o seu nome completo é Olympus OM-D E-M1) incorpora um sistema de focagem automática por detecção de fase no sensor, que teoricamente auxilia a focagem automática com lentes do sistema 4/3, que são montadas na E-M5 através de um adaptador. Ao que parece, os problemas que levavam a que a focagem se tornasse errática quando se montavam lentes 4/3 em câmaras como a minha E-P1 desapareceram com este novo sistema. Falta convencer os proprietários de Olympus E-5 de que um visor electrónico é melhor do que o visor óptico a que estão habituados.

500x367xOlympus-Zuiko-12-40mm-f2.8.jpg.pagespeed.ic.pjSyO0JT0L

Mais interessante parece ser a lente 12-40. É um zoom, o que à partida implica uma série de compromissos, mas é um zoom de abertura constante. A abertura máxima de f/2.8 é a mesma com 12mm ou com 40mm, o que é bom mas se paga caro. De resto, f/2.8 é o que eu tenho com a minha Pancake, e posso dizer que não é nada do outro mundo. Mas é decerto o melhor que se pode obter em lentes como esta sem encarecer demasiado o produto.

Se excluí a OM-D E-M1 das minhas futuras possíveis aquisições, já esta lente podia dar jeito. Abrange uma gama de distâncias focais que vai de ultra grande-angular (24mm) a teleobjectiva curta (80mm). Resta saber como será o seu comportamento óptico. Não é improvável que seja mais uma lente com distorções que são corrigidas pelo processador da câmara, como todas as Olympus do formato, mas será certamente uma objectiva com algumas qualidades.

Note-se que estes são produtos caros: a E-M1 custa €1500 e a 12-40 €1000. Não se pode dizer que seja barato. Falta saber quais as verdadeiras qualidades destes produtos. Quanto a mim, só consigo pensar na quantidade de rolos que poderia comprar com este dinheiro todo…

M. V. M.

P. S.: fiquei a saber que, se fizermos uma pesquisa com os termos «full frame» e «Preste João das Indias», o Número f/ é o único resultado devolvido pelo Google. Digam lá se este não é um blogue original!!! (Obrigado, Groucho Marx!)

M. V. M.

Anúncios

1 thought on “Novidades da indústria fotográfica: Olympus E-M1 e 12-40mm-f/2.8”

  1. Existe ai uma espécie de ritual ao de auto tortura em relação a está maquina?
    Actualmente, se pudesse era a maquina que gostava de comprar (apesar de todos os seus defeitos).

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s