As minhas referências, parte 2

Josef Koudelka

Os que me conhecem sabem que gosto de fotografia de rua e de preto-e-branco. Poderiam, a partir destas premissas, concluir que a minha grande referência (excluindo Fernando Aroso, pelas razões que expliquei ontem) seria HCB, mas na verdade o fotógrafo que mais contribuiu para me despertar o interesse pela fotografia foi Josef Koudelka. Há quase duas décadas, um amigo ofereceu-me uma antologia deste fotógrafo checo, mas na altura a ideia que se formava na minha mente, ao contemplar uma boa fotografia, era – não vale a pena sequer tentar, porque nunca serei capaz. (Hoje continuo a pensar que nunca serei um grande fotógrafo, mas pelo menos vou tentando tirar as melhores fotografias que posso e sei.)

O que me fascinou em Josef K. não foi a perfeição formal – que existe -, nem o mostrar das formas e texturas que o preto e branco permite: foi o facto de ele fotografar a vida de gente real e convertê-la em fotos – ou, se preferirem, em arte. Tinha descoberto, embora sem me aperceber, a essência da fotografia de rua. Mais tarde vim a saber da sua actividade política, da sua faceta de homem livre que documentou a repressão da Primavera de Praga com algumas das fotografias mais expressivas – e, simultaneamente, perfeitas de um ponto de vista técnico – que já tinha visto. Koudelka é o mestre absoluto da composição e do enquadramento; outros parecerão mais cuidadosos nestes aspectos da fotografia, mas na fotografia de rua não há muito tempo para pensar: não se pode montar um tripé e regular o disparador automático num estilo de fotografia que se pretende espontâneo e natural. Conseguir compor e enquadrar nessas condições é algo que só os melhores entre os melhores conseguem.
Não é meu propósito fazer aqui uma biografia de Koudelka: outros fizeram-no bem melhor do que eu poderia fazer. O que quero, com este texto, é exprimir a sorte que tenho em ser conhecedor e ter a capacidade de apreciar a fotografia de um homem que soube sempre encher as suas imagens de conteúdo, de um fotógrafo capaz de transmitir a sua mensagem através da forma de arte que escolheu.
M. V. M.
Anúncios

1 thought on “As minhas referências, parte 2”

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s